Archive for the 'Inglaterra' Category

17
Mar
08

john king the football factory

thefootballfactory.jpg

“The best book i’ve ever read about football and working-class culture in Britain. Buy, steal or borrow a copy now”

Irvine Welsh
The football Factory de Jonh King, foi uma agradável leitura (previsivelmente agradável tendo em conta a boa referência deixada por uma autoridade na matéria como Irvine Welsh). O livro, que também já é filme, tem como personagem central um hooligan do Chelsea, e um vasto conjunto de personagens secundárias que contribuem para uma caracterização dos adeptos de futebol vulgarmente conhecidos por hooligans.
Jonh King não enche o livro com os lugares comuns sobre o hooliganismo, tão pouco tenta fazer juízos de valor ou condenações. Jonh faz do seu livro um ariete contra a hipocrisia de uma certa sociedade britânica que não admite culpas próprias, não admite a exclusão, o desemprego, a precariedade, ou a violência como uma extensão e consequência dos problemas sociais.
O livro não existe ainda em português, e receio que não venha a existir.
Anúncios
22
Fev
08

george orwell na penúria em Paris e em londres

go.gif

George Orwell é um dos meus preferidos. Muitos leitores apenas conhecem a obras como 1984 ou O triunfo dos porcos, mas Orwell é muito mais do que issso.  Bem, mas para já e para que não me esqueça, dou desde já os parabéns à Antigona pelo esforço que tem feito em editar e re-editar as obras de Orwell.

Orwell não é apenas um ficcionista ou noutra hipótese um vulgar escritor de fábulas, penso que na verdade a sua melhor qualidade é o relato.  É na narração que está o seu ponto forte, são diversos os seus textos, sob a capa de jornalista, que revelam capacidades como a atenção ou a objectividade. são óptimos exemplos de uma enorme capacidadede observação livros como O caminho para  Wigan Pier, sobre as comunidades mineiras do norte de Inglaterra, ou Homenagem à Catalunha, na guerra civil espanhola (mais tarde voltarei a estes livros).

Em Na penúria em Paris e em Londres, bem ao seu jeito, George Orweel conta as suas histórias de precário e mal pago trabalhador num Hotel e de vagabundo nestas duas cidades, as diferenças entre estas e as suas gentes e hábitos. Orwell relata a vida de um sem-abrigo, as suas amarguras e também, os pequenos prazeres e hábitos que vai  criando por forma a encontrar motivações no seu dia-a-dia. São deveras interesantes as caracterizações que Orwell faz sobre os centros de acolhimento em Londres ou o papel do túneis do Metro de Paris. Um óptimo livro.

“A fome reduz a pessoa a um estado sem cérebro, e sem coluna vertebral, que se parece mais com os efeitos tardios da gripe do que com outra coisa qualquer. É como se uma pessoa se tivesse transformado num molusco qualquer, ou como se não tivesse sangue, e o sangue tivesse sido substiuído por água morna. A inércia completa é a minha principal recordação da morte…”