Posts Tagged ‘Fiódor Dostoiévski

15
Maio
08

Fiódor Dostoiévski Os irmãos Karamazov

Este é dos livros mais difíceis de criticar ou mesmo comentar. Acabei agora mesmo de ler as quase 1000 páginas desta obra, traduzia directamente do russo por Nina Guerra e por Filipe Guerra, ainda estou na ressaca da leitura…

Indo ao que interessa, esta é mais uma bela obra Dostóievski, está muito na esteira dos seus outros trabalhos que já li e sobre os quais já aqui deixei a minha opinião. Mais um livro caracterizadvel pelo realismo psicológico que percorre a obra de Fiódor.

 A história, sumariamente, é sobre o assassinato do pai de uma familia, vindo um dos seus filhos a ser acusado e condenado pelo homicídio. Até aí e a partir daí se desenvolve uma imensa história e trama envolvendo os irmãos. Naturalmente, tudo isto enquanto o autor vai caracterizando a sociedade de São Petersburgo à época.

Quem sou eu para criticar uma obra maior de um escritor maior… mas apetece-me desabafar… penso que oesta obra peca um pouco por excesso. Excesso de trama, de enredo e de pormenor, o que não facilita a leitura e concentração do leitor. Confesso também, que julgo que esta não é uma obra para todos os leitores, ela é complexa e extensa. A compreensão da mesma não é fácil nem imediata.

Mas a verdade é que vale a pena. A prova de que gostei d’Os Irmãos karamazov e que gosto de Fiódor é que parto já de seguida para a leitura de O Idiota, depois conto…  

26
Mar
08

Fiódor Dostoiévski gente pobre

gt.jpg

Gente Pobre, escrito enquanto Dostoiévski apenas tinha 25 anos, é um podereoso livro de crónica social.

Duas personagens apenas, um humilde funcionário público e uma costureira, trocam cartas entre si, gente pobre está bom de ver. Uma caracterização da pobreza á moda russa. Em São Petersburgo. Os problemas diários relacionados com a habitação, a comida e o vestuário. O frio e uma sociedade que escarna dos pobres.  Um livro de Dostoiévski, mais um, com uma feroz crítica social. Provavelmente uma das obras que o mandou para a cadeia siberiana. 

Não seria um livro de Fiódor se uma feroz carga psicológica não carregasse as personagens, onde os seus passados pessoais se misturam com os seus feitios e reacções.

Chamo à colação Federico García Lorca, “o insigne escritor russo, Fedor Dostoiévski, muito mais pai da revolução russa do que Lenine”.

20
Mar
08

Fiódor Dostoiévski o jogador

dostoievskijogador1.jpg

O Jogador de Dostoiévski foi publicado, tal como Crime e Castigo, em 1866. Ou seja, há quase 150 anos… Ora, começo mesmo por aqui a apreciação.

Dostoiévski é um romancista, que incute nas personagens das suas obras cargas psicológicas fortíssimas, o que acaba por lhes conferir alguma intemporalidade, e essa é uma arma da genialidade  de Dostoiévski. Na verdade, O Jogador é um texto marcado pelos sentimentos e sensações de um dependente. A angústia, a solidão, a adrenalina, a paixão, o desespero e a sorte. O leitor é transportado para o interior de uma sala de casino alemão no século XIX.

Um livro habitada por servos, mademoiselles, generais, nobres e burgueses, velhos e velhas desda a Alemanha até à Rússia. Acabando por construir também, uma caracterização social crítica  dos usos e costumes, esteriotipando ricos e pobres, explicando a diferenças entre uns e outros, mesmo no jogo.

O jogador não é o grande livro de Dostoiévski, mas é um bom livro e de fácil leitura.